quarta-feira, 26 de julho de 2017

E eu fiz um live action


Jogar RPG é uma coisa que faço a muito tempo. Daria pra alguém nascer, servir ao exército, casar, e separar e pagar pensão. Em outras palavras, 24 anos. 

Claro que esse tempo não é regular, tive meus altos e baixos. Épocas do colegial que jogávamos sexta, sábado e domingo, ou quando eu chegava atrasado para jogar porque estava jogando em outra mesa. Também tiveram os momentos de desânimo com o hobbie, no período que eu meio que casei com a *****, também conhecido como o ano em que as Trevas tomaram a Terra, não joguei praticamente nada. Não tinha tempo pra isso, não era coisa de adulto e ela meio que odiava qualquer coisa que envolvia meus amigos. Fui um idiota por mais de um ano, mas um dia a gente acorda né. 

Tiveram outros altos e baixos como esse, mas um grande desânimo como aconteceu no início desse ânimo, sem falta de tempo, sem fatores externos foi novidade. Eu ia jogar, mas não conseguia prestar atenção no jogo, não lia nada sobre regras, níveis ou qualquer outra coisa assim.

Talvez fosse o momento de parar de jogar.

Uma coisa eu tinha certeza, aos 37 anos, tão impopular como costumo ser, se me afastasse da galera da mesa agora provavelmente não conseguiria arrumar mais gente para jogar. 

Então resolvi fazer a peregrinação: o que me motivava a jogar, precisava descobrir. Fiz uma longa maratona de filmes de fantasia dos anos 70, 80 e 90, aqueles filmes ruins de baixo orçamento que sempre me inspiraram a montar personagens e dungeons.   Assisti 27 filmes em 1 mês  https://pararobo.blogspot.com.br/2017/05/o-resultado-da-maratona-de-filmes-de.html

Outra coisa que fiz foi ler o livro Dados e Homens de David M. Ewalt. 

E eu achei o que tinha perdido, a diversão com o jogo.

Ok, então eu estava disposto a continuar jogando, isso não bastava. Percebi que só ir jogar era pouco para mim, precisava voltar a caçar livros em sebos, conviver com uma comunidade de jogadores e não só com a galera da mesa, precisava mestrar, gerar conteúdo e fazer algo grande.

Então desenterrei uma ideia, fazer um live action. 

Convenci o pessoal da minha mesa que era uma boa ideia, pelo menos eles começaram a comprar a ideia, depois que a coisa foi tomando forma eles começaram a entender a proposta, nenhum deles tinha participado de um live action. Achei que com muito esforço apareceriam umas 15 pessoas.

Passou de 30, o resultado foi melhor que eu esperava, mas não de onde eu esperava. Eu estava achando que alguns jogadores que eu conhecia por ai talvez se interessassem, mas isso não aconteceu. Mas, apareceu um cara do By Night, o que eu achava que já estava extinto desde o começo dos anos 2000. E com ele veio mais gente, e antigos amigos e conhecidos começaram a aparecer. E o dia do live chegou, achei que não daria conta, mas gostaram tanto que já pedem uma continuação, que deve acontecer. 

No fim achei a comunidade que procurava, contei uma grande história e mestrei um live action, praticamente a única coisa que não tinha mestrado na vida. O resultado foi muito melhor do que o esperado. 

Outro projeto que comecei a tocar é o Caboclo Dragon, textos em inglês para explicar a nossa cultura pop nacional e o RPG no Brasil para os americanos. Ainda engatinha, mas agora tenho mais tempo pra ele, o live consumiu quase que inteiramente duas semanas da minha vida. 

Outro projeto que retomarei é o RPG que usa dominó que comecei em 2003 e continua se arrastando. 

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O RPG... Ontem mesmo brincava com um amigo que se eu não tivesse apresentado o RPG a ele em 1994, provavelmente não seríamos de humanas. Comecei bem cedo, um irmão trouxe a ideia do colégio, com direito a miniaturas de chumbo mas sem os livros, por sorte no mesmo ano encontramos alguém nas férias que mestrava tagmar, e pasmem, eu tinha 8 anos. Na primeira oportunidade eu comprei o livro, era em português e barato para os padrões do dnd. Joguei o selo da gygax poucas vezes até 1994, quando me mudei para Bsb e conheci uma galera que além de jogar o mesmo falava de um novo jogo, o vampiro, daí foi com direito a live Actions, intrigas e romances. Engraçado que combinou com o período da minha vida, rock, meninas e fofocas. Nós anos seguintes joguei outras coisas, lobisomens, fadas e star Wars, cheguei até a participar do rage Bsb e do rio by Night, mas sempre senti falta do mundo de fantasia ou espada e feitiçaria. Nós anos de faculdade participei do projeto tagmar 2, e me lembro a última vez que joguei RPG ao vivo, foi vampiro idade das trevas em 2007, um ano antes de entrar para forças armadas. Nos anos seguintes pela mudança de foco, desânimo e distância das amizades joguei pela internet, conheci alguns retro clones e contribui recentemente com a tradução do dcc e o chamado do cthulhu, mesmo sabendo que não jogaria. Hoje totalmente afastado do hobby posso dizer que considero que joguei pela última vez em 2007, falta tempo, falta dedicação, e principalmente logística. Ótimo texto.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      Eu comecei com Hero Quest, e meio que nunca parei de fato. Hey, não sabia da parte das forças armadas, continua na carreira militar?

      Excluir
  3. Sai do exército em fevereiro do ano passado, atualmente sou dos direitos humanos. Hero Quest tenho o meu na estante de casa em exposição. ;)

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...